Recomenda| Jessica Jones

Literatura Publicado em 21/11/2015 por Glizia
Sem Comentários

Talvez esse seja um dos recomenda mais especiais do ano. Mas ainda estou tentando sugar todas as informações sobre o que eu acabei de assistir e não penso em outra coisa que não seja elogios para os atores e para a Netflix, que produziu uma das melhores séries que eu já vi na minha pacata e minúscula vida.

Jessica Jones conta a história dessa justiceira que possui uma super força depois de um acidente de carro. Ela trabalha como detetive particular e a maioria de seus casos são casais que traem, ou pessoas que devem dinheiro a outras pessoas. Ela também trabalha como freelancer para uma advogada, conseguindo pistas para os casos dela. Até o dia que descobre que Zebadiah Kilgrave está de volta.

Bem, para saber mais você: 1) Vá assistir o seriado; 2) leia a página de Jessica Jones no Wikipedia. Foi o que eu fiz.

Eu não conhecia a história de Jessica, sabia algo bem por fora, e confesso que a minha vontade maior de assistir foi saber que a Krysten Ritter estava como principal no seriado. Some com David Tennant e temos aí atores que conseguem me convencer a assistir pelo menos dois episódios da série que estão gravando.

E eu não me arrependi nem um pouco. O seriado é incrível, a fotografia, que não deixou de fora nenhuma vez a cor roxa quando o vilão aparecia, a atuação de quando eram controlados. Tudo estava incrível, até a coreografia de luta, que eu não levava muita fé, foi muito boa.

Existe um ponto muito específico que necessita ser reforçado nesse post, que não vi as pessoas dando a importância necessária. Jessica Jones fala sim sobre uma pessoa com poderes, mas também mostra como um relacionamento abusivo pode ser. Mostra como a relação que eles demonstram ali , como a da Trish até.

Depois de tudo o que falei esse ano, mais precisamente nesse mês aqui no Choconatos, acho muito mais do válido mostrar a importância desse assunto ( vide o post sobre Survivor, as campanhas #meu amigo secreto e #meu primeiro assédio). Quando você assiste a esses episódios tem uma visão melhor do que é tudo isso que falamos pelos nossos facebooks e campanhas.

Não tem como eu ficar aqui por um post enorme contando vários spoilers, a graça é vocês irem assistir o mais rápido possível. A graça é vocês verem tudo isso com os próprios olhos. Percebam cada um dos atores e seus papeis, suas falas. Foi algo muito bem construído. A sonoplastia foi muito boa, e, mesmo sendo um seriado mais voltado para o conteúdo que mais temos visto nos últimos anos, não deixou tanto a desejar.

Veja bem, quando eu vejo filmes de super heróis ( e eu falo qualquer um, marvel, dc…) todos tem aquela fraquejada. Ou o vilão não me agrada muito por não ter um objetivo para acabar com o herói, ou o herói não me convence de que é um herói, seja humanizado ou não. Ou as lutas são bem fracas, ou a sonoplastia não me agrada nem um pouco, ou as cenas parecem ser forçadas para encher linguiça. Nada disso acontece.

Treze episódios que te prendem do começo ao fim. Treze episódios que quando terminam te fazem clicar no próximo automaticamente, sem duvidar de que seria uma boa escolha. É entrar naquele ciclo vicioso que acontece toda vez que a Netflix libera um seriado novo dela. Uma temporada inteira em um dia só, e até o ano que vem.

Sei que existem mais seriados vinculados a Jessica Jones. DareDevil e Luke Cage são dois deles, que, agora, até me deu vontade de assistir. Mas me pergunto se terá a mesma graça que teve esse seriado, que me conquistou de verdade.

Nota: o post foi editado no dia 01/12/2015.

Postagens relacionadas:

Emma- Jane Austen
Cidades de Papel, John Green
Por que Indiana, João? , Danilo Leonardi
O que esperamos de Nov/2014?
A "Survivor" Clarice Falcão e seu cover

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Facebook